Não espere a compreensão dos outros, seja você essa compreensão.

Não espere ser feliz pela presença de alguém amado na sua vida; seja feliz só porque você existe, independentemente de qualquer um.
Não espere que um salvador celeste venha salvar sua alma, apenas evolua e cresça, para você ser salvo de sua própria ignorância.
Não espere o perdão de alguém, seja você esse perdão.
Não espere que alguém se desculpe de você, seja você essa desculpa.
Não espere que a morte surja para provar que você vive além dela; use o discernimento e saiba disso agora!
Não espere a vida passar para que você passe sem compreender coisa nenhuma.
Cada momento é importante, cada vida é importante, e cada coisa que se aprende é importante; por isso é muito importante viver e valorizar essa existência atual, que tem de ser a melhor de todas as existências, independentemente de vidas anteriores.
O que você possa ter sido lá atrás, já passou...
Se você foi Hitler ou Buda, não interessa! O que interessa é essa vida, e que você seja feliz aqui e agora, sem jamais depender de algo (ou de alguém) fora de si mesmo.
E toda transformação que você quiser que ocorra, seja você mesmo essa transformação, em lugar de procurar pedir essa transformação fora de si mesmo, dos outros, do mundo ou do que quer que seja.
O que quer que aconteça na sua vida, seja lá o que for, a chegada de alguém ou sua partida, não dependa disso para que seu discernimento se acenda.
Independentemente de quem chega ou de quem parte, é você que está aí dentro e, ao longo da eternidade, você estará acompanhado por si mesmo, todo o tempo.
Então, se amanhã, ou em outras vidas, você quiser estar bem acompanhado, comece a crescer agora, para que você seja boa companhia para sempre, de você mesmo.
Amigos, para quem solicitou meu face é Patrícia Garmus de Souza Moretti. Um abraço!

A Delicadeza de Expressão


A Delicadeza de ExpressãoAs regras e os preceitos não são de grande ajuda para se aprender a falar delicadamente, se a natureza não concorrer para isso. A delicadeza de que falo é menos o efeito da arte do que de uma imaginação viva e venturosa, que sem se esforçar encontra termos apropriados para exprimir aquilo que se pensou; mas, para falar delicadamente, é necessário pensar delicadamente. A maioria das mulheres de qualidade que têm muito espírito e frequentam a sociedade falam com delicadeza, e embora não inventem palavras novas, colocam tão bem os termos de que se servem, que eles parecem inteiramente novos e feitos especialmente para significar o que elas querem dizer. Elas exprimem todo um sentimento numa única palavra, e deixam ainda mil coisas agradáveis a adivinhar; é nisso que consiste a tal delicadeza da expressão. Ela não consiste de modo algum em palavras grandiosas, num longo agrupamento de palavras harmoniosas, em frases muito rebuscadas; é necessário não sei quê de natural, de desenvolto, de simples, de ingénuo, de fácil, mas vivo e engenhoso. 

Jean-Baptiste Morvan de Bellegarde, in 'Reflexões Sobre a Elegância e a Polidez do Estilo'

PRECE

Senhor, que és o céu e a terra, que és a vida e a morte!
O sol és tu e a lua és tu e o vento és tu!
Tu és os nossos corpos e as nossas almas e o nosso amor és tu também.
Onde nada está, tu habitas e onde tudo está - (o teu templo) - eis o teu corpo.


Dá-me alma para te servir e alma para te amar.
Dá-me vista para te ver sempre no céu e na terra, ouvidos para te ouvir no vento e no mar, e mãos para trabalhar em teu nome.


Torna-me puro como a água e alto como o céu.
Que não haja lama nas estradas dos meus pensamentos nem folhas mortas nas lagoas dos meus propósitos.
Faze com que eu saiba amar os outros como irmãos e servir-te como a um pai.


Minha vida seja digna da tua presença.
Meu corpo seja digno da terra, tua cama.
Minha alma possa aparecer diante de ti como um filho que volta ao lar.


Torna-me grande como o Sol, para que eu te possa adorar em mim; e torna-me puro como a lua, para que eu te possa rezar em mim; e torna-me claro como o dia para que eu te possa ver sempre em mim e rezar-te e adorar-te.


Senhor, protege-me e ampara-me.
Dá-me que eu me sinta teu.
Senhor, livra-me de mim.

Fernando Pessoa em "O Eu Profundo".

Arcanjo Miguel: Arcanjo do Primeiro Raio.




Arcanjo Miguel, protege os filhos de Deus!
INVOCAÇÕES AO ARCANJO MIGUEL
Em nome do Pai, do Filho, do Espírito Santo e da Mãe divina; em nome de São Miguel o comandante dos exércitos do Senhor, EU comando as legiões dos sete arcanjos para que estabeleçam a ação protetora em todo o planeta Terra.
01 - Em nome da Amada e Poderosa Presença de Deus EU SOU em mim e da chama trina em meu coração; Arcanjo Miguel Amado e Poderoso comandante das Hostes Celestiais, ouve o nosso chamado !
02 - Arcanjo Miguel e Fé ! (9x)
03 - Arcanjo Miguel, Fé e Micah*, dê-nos a compreensão da Unidade divina !
04 – São Miguel, desce agora com os amados Arcanjos Jofiel, Chamuel, Gabriel, Rafael, Uriel, Zaquiel e Uziel !
05 - Arcanjo Miguel, necessitamos de sua proteção e direção agora!
06 - Arcanjo Miguel, protege-nos nesta hora de aflição mundial !
07 – São Miguel, envolve todos os filhos e filhas de Deus em tua Chama Azul Protetora
08 - Arcanjo Miguel, preenche todos os ambientes e cantos de nossas casas com a tua luz Azul !
09 - Arcanjo Miguel, protege-nos e liberte-nos de toda a maldade!
10 - Amado Arcanjo Miguel, dissolve toda a energia de medo em nossas consciências, para que o amor de Deus possa fluir livremente em nossos corações !
11 – São Miguel, direcione-nos para que possamos desempenhar aqui na Terra os compromissos assumidos com Nosso Pai Celestial !
12 – Arcanjo Miguel, liberte-nos de todos os vícios que impedem a nossa evolução espiritual!
13 – Arcanjo Miguel, liberte-nos de todos os ódios e suas nuances de rancor, mágoa, ressentimento, impaciência, intolerância, irritabilidade, antipatia, malquerenças e incompreensão !
14 - Arcanjo Miguel, afaste de nossas vidas e de nosso caminho todas as coisas, situações e pessoas, que possam estar impedindo a realização da nossa missão !
15 – Arcanjo Miguel, coloque em nosso caminho todos os que fazem parte do nosso plano divino !
16 - Arcanjo Miguel, liberte-nos do mau hábito de fazer crítica, condenação, julgamento e comentários desfavoráveis !
17 - Arcanjo Miguel ! Defende a nossa Fé ! (3x)
18 - Arcanjo Miguel, venha com suas legiões de anjos ! Ajude-nos, oriente-nos e direcione-nos no caminho da Luz !
19 – São Miguel, ilumine os homens de boa-vontade, restabelecendo a memória da herança divina para que possam cumprir sua missão aqui na Terra !
20 - São Miguel, venha expandir nossa percepção da realidade para que possamos aceitar em nossos corações a totalidade da Presença EU SOU !
21 - Arcanjo Miguel, liberte nossa alma para podermos trilhar a senda iniciática da ascensão !
22 - Arcanjo Miguel, rompe os véus da ignorância e da ilusão, libertando-nos de toda cegueira espiritual com tua Poderosa Espada de Chama Azul !
23 - São Miguel, alinhe nosso corpo, mente e alma com a Vontade Divina !
24 - Arcanjo Miguel, protege agora toda a família de Deus na Terra !


Miguel (em hebraicoמִיכָאֵלMicha'el ou Mîkhā'ēl; em gregoΜιχαήλMikhaíl; em latim:Michael; em árabeمیکائیلMikā'īl) é um nome atribuído na Bíblia a um anjo ou arcanjo, numa posição de líder de exércitos celestiais. É um dos três anjos mencionados por nome na Bíblia, juntamente com Rafael no livro de Tobias e Gabriel no livro de Daniel e no Evangelho de São Lucas.

Etimologia

Do termo “Arcanjo”

Arcanjo tem duas raízes, “arch” e “angelos”.
O prefixo grego “arch” (ἀρχ) deriva de “arché” (ἀρχή) que se refere tanto a “começo, ponto de partida, princípio”, como “suprema substância subjacente” ou “princípio supremo indemonstrável” [1].
A partir dessa raiz “arché” temos o antepositivo “arch”, em português, com o sentido de “aquilo que está na frente, o que está no começo, na origem, ponto de partida de um entroncamento” [1], sendo traduzido “acima”, “superior” ou “mais importante” e “o que governa, que dirige, que comanda, que lidera” e ainda carregando consigo idéias de poder, autoridade, império e superioridade [2].
Quanto ao grego “angelos” (άγγελος), vertido para “anjo”, significa simplesmente “mensageiro”.
A partir dessas raízes, portanto, a palavra “Arcanjo” (αρχάγγελος) se traduz “Líder dos Mensageiros”, “Chefe dos Mensageiros” [3] "Capitão dos Anjos" [4],"Primeiro Anjo" [4], “Acima dos Anjos”, “Superior aos Anjos” [1] [5] [6] “Anjo Superior” [7] ou “Anjo Chefe” [8] [9] [10] [11], num aspecto qualitativo de liderança e substancialmente de superioridade [6], da mesma maneira que se traduz palavras com o mesmo radical, tal como “arquiteto” (chefe dos construtores), “arcebispo” (classe hierárquica superior a Bispo), “hierarquia” (poder sagrado) ou “anarquia” (falta ou ausência de poder).

Do termo “Miguel”

A tradução literal para o nome Miguel é “Aquele/Quem como Deus”.
  • Mi = Aquele/Quem(?)
  • Ka = Como
  • El = Deus
Como no hebraico não existia sinais de pontuação, algumas palavras trariam consigo um significado inquisitivo. Por isso a partícula “Mi” que significa “quem” muitas vezes é traduzida sintaticamente como interrogação, ocorrendo em 350 textos do Antigo Testamento onde é mencionada[12].
Exemplo:
Depois disto ouvi a voz do Senhor, que dizia: A quem enviarei, e quem irá por nós? Então disse eu: Eis-me aqui, envia-me a mim.” (Is. 6:8)
ואשׁמע את־קול אדני אמר את־מי אשׁלח ומי ילך־לנו ואמר הנני שׁלחני (Texto Original Hebraico)[13]
va'eshma et qol adonai omer et·mi esh'laj umi ielej·lanu vaomar hineni shelajeni ומי (Texto Original Transliterado)[14]
Dessa forma, o Talmude sugere uma interpretação inquisitiva para o nome Miguel, tendo a tradução contextual “Quem é como Deus?”[15] [15][16] [17] [18] [19] [20] [21] [22] [23] [24] [25] [26] ou “Quem é semelhante a Deus?”[27] [28] [29]. Este entendimento hoje não é compartilhado somente pela comunidade judaica, pois mais tarde foi incorporado pela cristandade em geral “para não colocar em causa a própria Escritura”, tanto por católicos e evangélicos, como adventistas [30], e também por outras comunidades religiosas, como as testemunhas de Jeová e os islâmicos. Mas para as cosmovisões judaica, jeovista e muçulmana, o pressuposto de não haver nenhuma outra pessoa igual a Deus (Sl. 35:10; 89:8) é literal, implicando sugestivamente a resposta “Ninguém é Igual a Deus” num entendimento retórico.
Quanto ao sufixo “El”, é também relacionado de forma regular com nomes significando afirmativamente “Deus” em todos os casos, tal como em Daniel (Deus é Juiz), Emanuel (Deus é Conosco), Ezequiel (A Força é de Deus), Samuel (Chamado pelo Nome de Deus), Gamaliel(Deus me Faz o Bem), Ananias (Deus é Clemente), João (A Graça é de Deus),Ismael (Deus Ouve), etc. Esse entendimento é compartilhado por algumas denominações cristãs trinitarianas e alguns famosos comentaristas bíblicos como Matthew Henry e até o próprio João Calvino, pai da Igreja Congregacional, da Presbiteriana e de muitas outras reformadas, trinitarianos convictos, entendendo o termo segundo a tradução literal. Para esses, diferentemente dos judeus, muçulmanos e testemunhas de Jeová, o Arcanjo Miguel não tem natureza angélica, e sim divina, sendo o próprio Cristo que veio com esse “nome de guerra” fazendo um desafio a Satanás que, desde o princípio, sempre desejou estar acima dos anjos e ser igual ao Criador (Is. 14:12–14).

Referências na Bíblia

O nome Miguel é escassamente referido na Bíblia, surgindo apenas nos versículos abaixo, segundo a tradução A Bíblia de Jerusalém:
"O Príncipe do reino da Pérsia me resistiu durante vinte e um dias, mas Miguel, um dos primeiros príncipes, veio em meu auxílio"
  • Daniel 10:21
"Ninguém me presta auxílio para estas coisas senão Miguel, vosso Príncipe."
  • Daniel 12:1
"Nesse tempo levantar-se-á Miguel, o grande Príncipe, que se conserva junto dos filhos do teu povo. Será um tempo de tal angústia qual jamais terá havido até aquele tempo, desde que as nações existem. Mas nesse tempo o teu povo escapará, isto é, todos os que se encontrarem inscritos no Livro."
  • Judas 1:9
  • "E, no entanto, o arcanjo Miguel, quando disputava com o diabo, discutindo a respeito do corpo de Moisés, não se atreveu a pronunciar uma sentença injuriosa contra ele, mas limitou-se a dizer: O Senhor te repreenda!"
    "Houve então uma batalha no céu: Miguel e seus Anjos guerrearam contra o Dragão. O Dragão batalhou, juntamente com seus Anjos, mas foi derrotado, e não se encontrou mais um lugar para eles no céu."

    Nos apócrifos

    No livro de Enoque Miguel é designado como o príncipe de Israel. No livro dos Jubileus, ele é retratado como o anjo que instruiu Moisés na Torá. Nos Manuscritos do Mar Morto é retratado lutando contra Beliel.

    [editar]Definição da Igreja Católica e do Protestantismo

    Miguel, o Arcanjo, é considerado o chefe dos exércitos celestiais e o padroeiro da Igreja Católica.[carece de fontes] É o anjo do arrependimento e da justiça[carece de fontes] É comemorado pela Igreja Católica sob o nome de São Miguel Arcanjo em 29 de setembro.
    Terço de São Miguel Arcanjo ou Coroa Angélica
    Catolicismo mantém uma considerável devoção por São Miguel Arcanjo, especialmente demonstrada nas situações em que são efectuados pedidos de livramento dos seus fiéis contra ciladas do demônio e dos espíritos maléficos. Acredita ainda que, durante as orações, e quando o nome do arcanjo é invocado, este defenderá os crentes, com o grande poder que Deus lhe concedeu, protegendo-os contra os perigos, as forças do mal e os inimigos[carece de fontes]
    A escassa referência das Escrituras à pessoa de Miguel é considerada por alguns como uma demonstração de discrição ou importância relativa que envolve a sua figura. Nas menções efectuadas no livro de Daniel, os teólogos dividem-se acerca da interpretação dessas passagens. Alguns[quem?] crêem ver neste Miguel aquele que mais tarde Judas designa por "Arcanjo". A maioria[quem?], porém, acredita que nestes versículos, Miguel é apenas uma figura que, de acordo com a crítica bíblica, é proveniente da mitologia Persa, com a qual o povo Hebreu contactou acuando do seu Exílio na Babilónia e não identificável com o Anjo com o mesmo nome. [carece de fontes]
    Na referência de Judas, alguns[quem?] entendem que não é atribuída a Miguel a faculdade de juiz escatológico, reservada a Deus e ao seu Messias, na medida em que ele entrega o Diabo ao juízo de Deus. Nem para os católicos nem para os protestantes é aceite a interpretação, feita por algumas denominações religiosas, como os Testemunhas de Jeová, de que neste texto se trataria do Filho de Deus antes de lhe ser dada autoridade régia visto que, segundo algumas teses destas[quem?] denominações, esta passagem relembraria um acontecimento muito anterior à época em que Jesus veio à Terra e foi posteriormente ressuscitado. Na realidade, católicos e protestantes, a respeito desta última hipótese, contrapõem "que este combate relatado neste livro, que de acordo com a sintática rigorosa do texto (nomeadamente o uso da construção οτε ("ote") mais dativo seguido de περι ("peri") mais genitivo neutro) não é situável num tempo passado e que, assim, ainda não ocorreu em seu sentido pleno. [...] O resgate ("recovery") do corpo "soma", e não do cadáver, de Moisés referido no texto não é senão aquele que ocorrerá no futuro escatológico" (Geerhardus Vos"Biblical Theology", p. 121-123). De igual modo, acrescenta este autor, "a referência a verbos em tempos passados - "διακρινομενος" ("diakrinomenos": "contendia"), "διελeγeτο" ("dielegeto": "disputava") e "ουκ etoλμησeν eπeνeγκeιν" ("ouk etolmesen epevegkein": "não ousou pronunciar") - provém do facto de este versículo ser a citação de um texto apócrifo de natureza apocaliptico-visonária onde o autor (como todos os autores deste género literário), imaginando-se como tendo sido transportado até ao fim dos tempos, olha para trás ("backwards") para acontecimentos supra-temporais (isto é, posteriores ao fim dos tempos) "anteriores" à consumação final" (Geerhardus Vos, "Biblical Theology", p. 122).

    [editar]Outras perspectivas religiosas

    O arcanjo Miguel representado numamoeda bizantina.
    Ao contrário das posições acima referidas, algumas denominações religiosas, que também se intitulam cristãs, identificam Miguel como sendo o próprio Jesus Cristo ou como uma representação dele. O raciocínio que os leva a crer que Miguel é apenas um outro nome para Jesus Cristo, baseia-se nas seguintes premissas:

    [editar]Arcanjo

    Na carta de Judas, no versículo 9, Miguel é designado como "o arcanjo" termo que significa "anjo principal". Esta é a única ocorrência bíblica de alguém ser chamado de "o arcanjo" o que, segundo alguns, sugere que existe apenas um anjo assim. De facto, a palavra "arcanjo" ocorre na Bíblia apenas no singular, nunca no plural. Além disto, o cargo de arcanjo se relaciona com Jesus. Sobre o ressuscitado Senhor Jesus Cristo, 1 Tessalonicenses 4:16 diz: "Porque o mesmo Senhor descerá do céu, com alarido e com voz de arcanjo." (Tradução J. F. Almeida) A voz de Jesus é descrita aqui como sendo a voz de arcanjo. Portanto, para alguns, esse texto indica que o próprio Jesus é o arcanjo Miguel, pois, na sua interpretação, aquele a quem foi designado o dever de ressuscitar os fiéis mortos, não desceria do céu com uma voz que expressasse uma autoridade menor do que a que realmente teria. Ou seja, sendo Jesus o próprio Deus e, portanto, superior a um arcanjo, esta declaração bíblica o compararia com uma criatura inferior. Assim, argumentam, o versículo apresenta a Jesus como sendo realmente o arcanjo, ou anjo principal, com autoridade acima de todas as criaturas.

    [editar]Líder militar

    Segundo os textos bíblicos, Miguel e seus anjos batalharão contra o dragão e seus anjos. (Revelação ou Apocalipse 12:7), de modo que Miguel é descrito ali como o líder de um exército de anjos fiéis. O mesmo livro também se refere a Jesus como líder de um exército de anjos fiéis, no capítulo 19, versículos 14 a 16, sendo que o apóstolo Paulo menciona especificamente o "Senhor Jesus" e os "seus anjos poderosos" (2 Tessalonicenses 1:7), pelo que é possível concluir que, na Bíblia, existem referências tanto de Miguel e "seus anjos" como de Jesus e "seus anjos". (Mateus 13:41; 16:27; 24:31; 1 Pedro 3:22)
    No entanto, e uma vez que nos textos bíblicos em nenhuma parte é indicada a existência de dois exércitos de anjos fiéis no céu, um comandado por Miguel e outro por Jesus, existem observadores que sugerem a conclusão de que Miguel não é outro senão o próprio Jesus Cristo na sua posição celestial.
    Esta conclusão, não obstante, é tida como sendo muito débil por um não menor número de peritos que afirmam que em nenhuma parte, nos textos bíblicos, se nega a referida existência de dois exercitos - Christoph Blumhardt - "Vom Reich Gottes. Aus Predigten und Andachten", p. 137 - ou que sejam um mesmo exercito «com dois chefes, um dos quais - Miguel - subordinado ao outro - Jesus -, tal como dá a entender o facto de ter sido Deus e não Miguel a condenar Satanás» - Paul Kleinert - "Die Propheten Israels in sozialer Bezichung", p. 78 -.
    Com base nestes argumentos algumas denominações cristãs desenvolveram as seguintes doutrinas:
    • denominação cristã não trinitária das Testemunhas de Jeová, acredita que Jesus e Miguel são a mesma pessoa, a primeira a ser criada directa e exclusivamente por Deus. Crê também que o nome "Jesus" foi usado na terra por aquele que já existia no céu na posição de Arcanjo, sendo que nesta posição celestial gloriosa teria o nome de Miguel. Segundo as suas doutrinas, as Testemunhas não aprovam a adoração de qualquer criatura ou ser terrestre ou celestial, crendo que a devoção dever ser dirigida em exclusivo ao Criador.
    • Os adventistas crêem também que Miguel é Jesus [carece de fontes]Ellen White, assim como os demais fundadores da IASD acreditaram na doutrina trinitária. Atualmente os adventistas crêem em Miguel sendo Jesus plenamente Deus, já que a Trindade se tornou a doutrina oficial da igreja. [carece de fontes]
    • Muitos outros téologos protestantes também ensinavam que Miguel é Jesus, porém viam-no como o eterno e divino Filho, muito mais do que um simples anjo. No início do Século XIX, o erudito bíblico Joseph Benson declarou que a descrição de Miguel, conforme encontrada na Bíblia, "evidentemente indica o Messias". E. W. Hengstenberg, luterano do Século XIX, concordou que "Miguel não é outro senão Cristo". De modo similar, o teólogo J. P. Lange, comentando Revelação 12:7, escreveu: "Entendemos que Miguel, desde o começo, seja Cristo em traje guerreiro contra Satanás." Também Spurgeon e John Gill ensinaram essa interpretação. John Gill até deixa claro que Miguel "não é outro senão o Cristo, o Filho de Deus, um Anjo incriado; que é 'Um' ou 'o primeiro dos principais príncipes', superior aos anjos em natureza, nome e ofício; ele veio para 'ajudar' Gabriel, não como uma criatura semelhante, mas como o Senhor dos exércitos; não como um camarada soldado, mas como o General dos exércitos do céu e da Terra. superior a ele em sabedoria e força; e ele o ajudou dando-lhe bons conselhos, e instruções, que ele ao segui-los teve êxito".
    • Neste ponto há uma interessante análise da palavra hebraica 'echad' (como praticada por John Gill), que tanto tem o sentido de "um" como de "primeiro". Em Gên. 1:5 algumas traduções vertem como "dia um" (como a espanhola de Reina-Valera ou a Tradução da American Jewish Publications Society, com base em textos massoréticos) e outros preferem "dia primeiro" ou "primeiro dia", como a maioria das versões em português.
    • Também seria interessante acentuar que João Calvino declarou que "por Miguel muitos concordam em entender que seja Cristo, como cabeça da Igreja. Mas se pareça melhor entender Miguel como o arcanjo, esse sentido se revelará adequado, pois sob Cristo como o cabeça, os anjos são os guardiães da Igreja", como consta de seu comentário bíblico.[31]
    • Os Santos dos Últimos Dias, conhecido como os Mórmons, acreditam que Miguel é Adão, o primeiro homem criado sobre a Terra, que é o pai e patriarca da raça humana na Terra. Adão é o arcanjo que voltará à Terra como patriarca da família humana, em preparação para a segunda vinda de Jesus Cristo[32].

    [editar]Conceitos doutrinários

    Argumentos contra a identificação de Miguel com Jesus

    Imagem de Gustave Doré para a obra "O Paraíso Perdido" de John Miltonrepresentando Jesus Cristo a comandar as legiões celestes.
    Algumas igrejas cristãs trinitárias, consideram que, pelo fato de Miguel ser chamado de arcanjo, identificá-lo como o Filho de Deus rebaixa, de algum modo, a dignidade ou o posto de Jesus. Assim, rejeitando que ambos possam ser a mesma pessoa, apresentam como argumentos as seguintes premissas: Ainda assim arcanjo significa comandante,e no livro de Daniel o "arcanjo Gabriel" disse que apenas Miguel é superior a ele,contraditório pois em Lucas 1:16 diz:" Eu sou Gabriel que assisto diante de Deus..." Gabriel é o querubim que assumiu o lugar de Lucifer como o primeiro anjo, e não há anjo acima dele nos céus, Miguel é superior e o unico que comanda os anjos é Jesus .
    • Jesus é criador (João 1,3); Miguel é criatura (Colossenses 1,16);
    • Jesus é adorado por Miguel (Hebreus 1,6); Miguel não pode ser adorado (Apocalipse ou Revelação 22,8-9);
    • Jesus é o Senhor dos senhores (Apocalipse 17,14); Miguel é príncipe(Daniel 10,13);
    • Jesus é Rei dos reis (Apocalipse ou Revelação 17,14); Miguel é príncipe dos Judeus (Daniel 12,1);
    • Nenhum anjo alguma vez foi chamado por Deus como seu Filho (Hebreus 1,5-6) e Deus jamais disse "Assenta-te à minha direita" aos anjos (Hebreus 1:13);
    • O mundo futuro não sera submetido a nenhum anjo «Porque não serão os anjos que sujeitarão o mundo futuro, de que falamos»(Hebreus 2,5) em câmbio sera submetido a Jesus «a quem constituiu herdeiro de tudo, por quem fez também o mundo.»(Hebreus 1,2);
    • Jesus está no livro do Apocalipse ou Revelação sobre um cavalo(Apocalipse ou Revelação 19, 19-21) ,a seguir um anjo[Miguel] faz aparição (Apocalipse ou Revelação 20, 1-2), enquanto Jesus estava no cavalo, este anjo tem as chaves do abismo, da mesma forma que Pedro tem as chaves do céu e não se pode portanto dizer que Pedro é Jesus, é importante dizer que Jesus é o proprietário de ambas chaves.
    • Um anjo é um mensageiro de Deus e Miguel lhe traz uma mensagem de Deus a Josue (Js 5,14).
    • O mesmo erro de Josué (Js 5,14) ao adorar um anjo foi o que cometeu João (Apocalipse ou Revelação 19,9-10);
    • O Filho de Deus por antonomásia não assumiu jamais uma natureza angélica (Hebreus 2,16);
    • Os anjos jamais recebem adoração (Colossenses 2, 18; Apocalipse ou Revelação 19,10; 22,9); Jesus recebe adoração de
      • anjos: Hebreus 1,6 (em isto a TNM estava de acordo desde 1950 até 1970);
      • dos discípulos: Lucas 24,52;
      • dos crentes: João 9,38;
      • dos santos na glória: Apocalipse ou Revelação 7,9-10;
      • eventualmente de todos: Filipenses 2,10-11; Mateus 9,18; 15,25;
    João na ilha de Patmos
    • DEUS não partilha a sua glória com ninguém (Isaías 42,8). Jesus, não um anjo, partilha da glória de DEUS desde antes que o mundo existisse (João 17,5);
    • Os anjos são servos desde a sua criação (Hebreus 1,14); Jesus assumiu a condição de servo quando da sua kénosis (Filipenses 2,7);
    • Somente ao nome de DEUS todo o joelho se dobrará: «"Por minha vida" - diz Jeová - "todo joelho se dobrará diante de mim e toda língua reconhecerá abertamente a Deus"» (Romanos 14,11 TNM); ao nome de Jesus todos dobrarão o seu joelho: «ao nome de Jesus, se dobre todo joelho dos no céu, e dos na terra, e dos debaixo do chão, e toda língua reconheça abertamente que Jesus Cristo é Senhor» (Filipenses 2,10-11 TNM);
    • Os anjos somente podem estar em um único lugar pois a Bíblia jamais afirma que são omnipresentes; Jesus, pelo contrário, é «Aquele que em tudo preenche todas as coisas»(Efésios 1,23 TNM); «Aquele que ascendeu muito acima de todos os céus, para que desse plenitude a todas as coisas» (Efésios 4,10 TNM); e quem «Sustenta todas as coisas pela palavra do seu poder» (Hebreus 1,3 TNM)»;
    • Em Daniel 10,13, Miguel é «um dos principais príncipes»; se fosse identificável com Jesus, pelo que já foi indicado mais acima, ter-se-ia dito «o principal príncipe»; mais: se Miguel é "um dos principais príncipes" e ele é apodado de "arcanjo", podemos, com toda a certeza, ainda que a Bíblia não lhes chame assim - «mas também jamais afirma que Jesus tinha dentes e não obstante...» [33] - saber que existem mais destas criaturas, ou seja, que Miguel não é o único arcanjo, o que invalida algumas interpretações que tentam identificar Jesus com esse anjo.
    • O título Príncipe não é exclusivo, Lúcifer é chamado Príncipe (Apocalipse ou Revelação 1,5),(Daniel 8,25),(João 12,31; 14,30; 16,11),(Ef 2,2) , Jacob foi chamado príncipe (Gén 23,6). B. David foi chamado príncipe também (Ezequiel 34,24).
    • No livro de Daniel Jesus é chamado "Filho do Homem" (Daniel 7,13-14), Miguel e Lúcifer Príncipes (Daniel 10,13;10,21;12,1). E em Daniel 21, o "Filho do Homem" fala claramente a Daniel que Miguel é um ser que o apoia, portanto é distinto dele.
    • Na carta de Judas refere-se a Jesus como Jesus Cristo (Judas 1;4;17;21;25) e a Miguel como arcanjo (Judas 9) sem relacioná-los em nenhum momento.
    • Lúcifer é chefe de anjos, por isso não se pode afirmar que somente há um chefe de anjos; e, mesmo considerando que houvesse, tem-se de considerar que há diferentes graus de comando (Salmo 103,20-21 , Mateus 26,53).
    • O manuscrito grego original de 1 Tessalonicenses 4,16 diz "à voz do arcanjo" fazendo uma distinção de Jesus e do papel de arcanjo. De qualquer maneira, a voz é um atributo, e não por alguém ter um atributo pode-se dizer que têm determinada natureza, por exemplo, alguém pode ter a voz de uma criança sem ser criança, na melhor das hipóteses se pode interpretar que Jesus tem o controle dos anjos nesse momento.
    Codex Sinaiticus 1 Tessalonicenses 4,16
    'Grego original:
    ταϲ οτι αυτοϲ ο κϲ εν κελευϲματι ε φωνη αρχαγγελου και εν ϲαλπιγ γι θυ καταβηϲε ται απ ουρανου και οι νεκροι εν χω αναϲτηϲον
    [34]'
    'Tradução oficial dos manuscritos em Inglês:
    because the Lord himself, with a shout, with the voice of the archangel, and with the trumpet of God, shall descend from heaven, and the dead in Christ shall arise first;
    [35]'
    αρχαγγελου: of the archangel (1 Tessalonicenses 4,16)[36][37]'
    ἀρχάγγελος: archangel (Judas 9)
    Histórica e cronologicamente falando, as teses interpretativas dos textos bíblicos mencionadas pelos que defendem que Miguel é um outro nome de Jesus, remontam ao Século IV quando foram propostas e defendidas, quase com as mesmas argumentações, na exposição cristológica de alguns discípulos e adeptos do presbítero alexandrinoÁrio[carece de fontes]
    Alguns[quem?] mencionam a carta de Narciso de Neroníades, discípulo de Ário, ao comentar a maior obra do seu mestre, "Thalia", a Eusébio de Nicomédia, bispo da capital imperial e amigo de Constantino I. Segundo eles, essas linhas argumentativas são apresentadas para conciliarem as suas peculiares leituras bíblicas com as filosofias helenistas presentes no horizonte cultural do seu tempo [38] A mesma tese surge numa outra carta, agora de Eusébio de Nicomédia a Paulino de Tiro [39]
    Na ocasião, as contra-argumentações que foram apresentadas para desmontar, e demonstrar a insustentabilidade, das teses dos filo-arianos, embora possam parecer aos olhos de hoje muito simples, não destoam da pouca profundidade crítica e teológica daquelas que lhes deram origem: além de uma clara rejeição de toda a angeolatria (Colossenses 2,18; Hebreus 1,14; 2,5; Apocalipse 19,10) como contrária a toda a revelação bíblica, estrutura-se, a referida crítica, em redor da contextualização da citação de Judas 1,9, a qual, afirmavam, é uma citação do livro apócrifo, não inspirado nem canónico, da "Assunção de Moisés" que se refereria a três (eventualmente quatro: Gabriel, São Miguel, Rafael Sanzio e Satãarcanjos, deduzindo-se então que Miguel não seria o único arcanjo, pelo que a expressão "ο αρχαγγελος", num argumento corroborado pela construção sintáxica do texto original do citado livro apócrifo, nunca poderia ser um oposto a "Μιχαηλ". Referem-se, ainda, ao facto de não obstante somente no livro de Naum se dizer que é um livro de dado profeta ("sëper Házôn naHûm") não se poder, daí, "concluir que os restantes textos proféticos não sejam também livros proféticos" (página 284).
    A respeito da tentativa de identificar Jesus com Miguel, por referência às citações comuns a ambos comandarem legiões celestes (Mateus 13,41; 16,27; 24,31; 1 Pedro 3,22), citam uma carta do próprio Ário que fala dos "presbíteros de Prólico (seu superior monástico)" e dos "presbíteros de Alexandre (seu bispo)" para mostrarem que não é pelo facto de nas duas únicas referências a "presbíteros de" se referirem a Prólico e a Alexandre que se pode identificar Alexandre com Prólico, pois "os presbíteros daquele são mais do que os deste, sem que passem a constituir dois corpos presbiterais, antes estando o de Prolico inserido no de Alexandre" (página 323). Analogamente, dizem os detractores clássicos da antiguidade acerca da tese da identificação de Miguel com Jesus, as "legiões de Cristo" são maiores do que as de Miguel, pois somente, ainda segundo o livro do Apocalipse e a carta de Judas, Miguel não assumiu o papel de juiz escatológico, deixando-o para Jesus Cristo, pois "apesar de votar Satã ao degredo, não o julga nem acusa nem condena" (página 316).
    Por sinal, nesta carta, não é citada a passagem de Tessalonicenses, mas na contra-argumentação geral, aduz-se que "εν" mais dativo não é neste contexto construção modal ("com voz de..."), mas temporal ("à - quando se fizer ouvir a - voz de...") tal como em 1 Tessalonicenses 5:2.
    Estas perspectivas dos críticos de Narciso e de Eusébio de Nicomédia são retomadas num dos maiores expoentes da literatura inglesa, O Paraíso Perdido de John Milton, segundo o qual, é somente após a intervenção de Cristo com as suas legiões de anjos que o combate iniciado pelo arcanjo Miguel se decide para o lado de Deus (canto VI).

    [editar]Argumentos a favor da identificação de Miguel com Jesus

    [editar]* Ponto de vista das denominações cristãs não-trinitarianas

    A denominação Testemunhas de Jeová, apresenta várias razões a favor da doutrina que identifica o Arcanjo Miguel como sendo o próprio Jesus Cristo. Alistam-se de seguida esses argumentos:
    [Miguel significa: Quem É Semelhante a Deus?].
    O único santo anjo, além de Gabriel, mencionado por nome na Bíblia, e o único chamado de “arcanjo”. (Ju 9) A primeira ocorrência do nome se acha no capítulo dez de Daniel, onde Miguel é descrito como “um dos mais destacados príncipes”; ele veio ajudar um anjo de categoria inferior, que sofreu oposição da parte do “príncipe do domínio real da Pérsia”. Miguel foi chamado de ‘príncipe do povo de Daniel’, ‘o grande príncipe que está de pé a favor dos filhos do povo de Daniel’. (Da 10:13, 20, 21; 12:1) Isto indica ser Miguel o anjo que guiou os israelitas através do ermo. (Êx 23:20, 21, 23; 32:34; 33:2) Esta conclusão é apoiada pelo fato de que “Miguel, o arcanjo, teve uma controvérsia com o Diabo e disputava acerca do corpo de Moisés”. — Ju 9.
    A evidência bíblica indica que o nome Miguel se aplicava ao Filho de Deus antes de ele deixar o céu para se tornar Jesus Cristo, e também depois do seu retorno. Miguel é o único mencionado como “o arcanjo”, que significa “anjo principal” ou “anjo mais importante”. O termo ocorre na Bíblia apenas no singular. Isto parece dar a entender que há apenas um a quem Deus designou como o principal, ou cabeça, da hoste angélica. Em 1 Tessalonicenses 4:16 descreve-se a voz do ressuscitado Senhor Jesus Cristo como a dum arcanjo, sugerindo que ele mesmo, efetivamente, é o arcanjo. Este texto descreve-o como descendo do céu com “chamada dominante”. Portanto, é apenas lógico que a voz que faz esta chamada dominante seja descrita por uma palavra que não diminuiria ou rebaixaria a grande autoridade que Cristo Jesus tem agora como Rei dos reis e Senhor dos senhores. (Mt 28:18; Re 17:14) Se a designação “arcanjo” não se aplicasse a Jesus Cristo, mas a outros anjos, então não seria apropriada a referência à “voz de arcanjo”. Neste caso, descreveria a voz de uma autoridade inferior à do Filho de Deus.
    Há também outras correspondências que estabelecem que Miguel realmente é o Filho de Deus. Daniel, depois de fazer a primeira referência a Miguel (Da 10:13), registrou uma profecia que se estende ao “tempo do fim” (Da 11:40) e depois declarou: “E durante esse tempo pôr-se-á de pé Miguel, o grande príncipe que está de pé a favor dos filhos de teu povo [o de Daniel].” (Da 12:1) Miguel ‘pôr-se de pé’ devia ser associado a “um tempo de aflição tal como nunca se fez ocorrer, desde que veio a haver nação até esse tempo”. (Da 12:1) Na profecia de Daniel, ‘pôr-se de pé’ freqüentemente se refere à ação de um rei, quer por ele assumir o poder régio, quer por agir eficazmente na qualidade de rei. (Da 11:2-4, 7, 16b, 20, 21) Isto apóia a conclusão de que Miguel é Jesus Cristo, visto que Jesus é o Rei designado de Jeová, comissionado para destruir todas as nações no Har-Magedon. — Re 11:15; 16:14-16.
    O livro de Revelação (Apocalipse 12:7, 10, 12) menciona especificamente Miguel relacionado com o estabelecimento do Reino de Deus, e liga este evento com tribulação para a terra: “E irrompeu uma guerra no céu: Miguel e os seus anjos batalhavam com o dragão, e o dragão e os seus anjos batalhavam. E ouvi uma voz alta no céu dizer: ‘Agora se realizou a salvação, e o poder, e o reino de nosso Deus, e a autoridade do seu Cristo, porque foi lançado para baixo o acusador dos nossos irmãos . . . Por esta razão, regozijai-vos, ó céus, e vós os que neles residis! Ai da terra e do mar.’” Jesus Cristo é mais adiante retratado como chefiando os exércitos celestiais na guerra contra as nações da terra. (Re 19:11-16) Isto significaria um período de aflição para elas, que logicamente estaria incluído no “tempo de aflição” associado com Miguel pôr-se de pé. (Da 12:1) Visto que o Filho de Deus deve combater as nações, é apenas razoável que foi ele quem anteriormente, com seus anjos, batalhara contra o dragão sobre-humano, Satanás, o Diabo, e os anjos dele.
    Jesus, na sua existência pré-humana, foi chamado de “a Palavra”. (Jo 1:1) Ele tinha também o nome pessoal de Miguel. Por reter o nome Jesus depois da sua ressurreição (At 9:5), “a Palavra” mostra ser idêntico ao Filho de Deus na terra. Reassumir ele seu nome celestial, Miguel, e seu título (ou nome) de “A Palavra de Deus” (Re 19:13) relaciona-o com sua existência pré-humana. O próprio nome Miguel, fazendo a pergunta: “Quem É Semelhante a Deus?” indica que Jeová Deus é sem igual, ou semelhante, e que Miguel, seu arcanjo, é seu grande Defensor ou Vingador.

    [editar]* Ponto de Vista das Denominações Cristãs Trinitarianas

    A Igreja Adventista do Sétimo Dia é uma denominação cristã trinitária e têm Jesus como SENHOR, digno de ser adorado, sendo uma das Cinco Colunas da Verdade apresentada na Bíblia.
     - Deus. Jeremias 10:10;  - Filho. S. João 14:6;  - Espírito Santo. 1 S. João 5:6;  - Bíblia. João 17:17;  - Os Dez Mandamentos. Salmos 119:151;
    Por não terem como pressuposto natureza angélica ao Arcanjo Miguel, identificam este como sendo uma cristofania ou um título nominativo ao Messias antes do primeiro advento. São apresentados alguns argumentos, dentre os quais:
    • Quanto ao facto de ter sido (supostamente) Deus e não Miguel a condenar Satanás (Judas 9) é importante salientar que:
    - No livro de Zacarias, capitulo 3 e versículo 2, encontramos o seguinte texto, supostamente, escrito em terceira (3ª) pessoa que serve de comparação: "Mas o SENHOR disse a Satanás: - O SENHOR te repreende, ó Satanás; sim, o SENHOR, que escolheu a Jerusalém, te repreende".
    - Questionar quem está repreendendo a Satanás é um assunto de menos importância.
    - Conforme Marcos 1:9-11, Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo são pessoas distintas, mas são um em amor, caráter, propósito, poder, etc (João 14:8-10).
    - Não há argumentos plausíveis quanto a desqualificar Miguel como sendo o próprio Jesus, somente baseado em Judas 9. - Cabe neste caso, um estudo mais aprofundado do texto original em hebraico (VT) ou em grego (NT) para se entender o que os escritores (Zacarias e Judas) quiseram dizer.
    • Antes de Adão e Eva caírem em pecado, Satanás foi expulso do céu. Miguel (Jesus) e seus anjos batalharam conta o Dragão (Satanás) e seus anjos. Apocalipse 12:7. Os livros de Daniel e Apocalipse são livros proféticos e cheios de simbolismo. As Palavras "Miguel" e "Dragão" são símbolos. Satanás foi vencido e expulso do céu.
    • Jesus em certa ocasião disse aos discípulos: Eu via Satanás caindo do céu como um relâmpago. Lucas 10:18.
    • Esta identificação de Miguel com Jesus tem como objetivo explicar as profecias bíblicas. Em Apocalipse 12 é relatado Miguel expulsando Satanás do céu. Em Daniel 12 mostra como Miguel será vitorioso contra Satanás salvando seu povo.
    • Jesus é criador (João 1,3); anjo é criatura (Colossenses 1,16);
    • Miguel é o único arcanjo(Comandante dos anjos) mencionado na Bíblia (Novo Testamento);
    • Jesus é adorado pelos anjos (Hebreus 1,6), mas não por Miguel.
    • As únicas referências bíblicas para o nome Miguel foram mencionadas acima e são:
    • Daniel 10,13; Daniel 10,21; Daniel 12,1; Judas 1,9; Apocalipse ou Revelação 12,7.
    • Nenhuma dessas referências apresenta Jesus sendo adorado por Miguel.
    • Os anjos não podem ser adorados (Apocalipse ou Revelação 22,8-9);
    • Mas não podemos afirmar que Miguel não deve ser adorado enquanto existir evidência de que trata justamente da pessoa de Jesus;
    • Jesus é o Senhor dos senhores (Apocalipse ou Revelação 17,14);
    • Jesus é o Príncipe da Paz (Isaias 9,6);
    • Miguel é um dos primeiros Príncipes (Daniel 10,13);
    • Jesus é Rei dos reis (Apocalipse ou Revelação 17,14) e Príncipe da Paz (Isaias 9,6);
    • Miguel é o grande príncipe (Daniel 12,1);
    • Miguel é o "defensor dos filhos do teu povo";
    • Em Daniel 12:1, Miguel é apresentado como salvador;
    • Está escrito: "será salvo, todo aquele que for achado inscrito no livro" (da vida);
    • Somente Jesus é Salvador (Atos 4,12);
    • Considerar Miguel uma criatura (um anjo) é contraditório, pois uma criatura (um anjo) não pode ser salvador.

    [editar]O anjo Miguel nos manuscritos do Mar Morto

    São Miguel luta contra o dragão, por Jean Fouquet.
    Desde a publicação, em 1991, da quase totalidade dos textos descobertos no deserto da Judeia, comumente conhecidos como os manuscritos do Mar Morto, que o estudo acerca da angeologia judaica sectária e extra-bíblica teve um grande desenvolvimento.
    Nestes textos, numa perspectiva que viria a ser recuperada pelos movimentos gnósticos doSéculo I, Miguel é apresentado como a figura celestial de Melquisedeque exaltado, elevado aos céus. É similarmente referido como o "príncipe da luz", conforme 11Q13, que dará combate ao "príncipe das trevas", SatãBelial ou Melkireshah (o príncipe das profundezas da Terra). Este confronto dar-se-á aquando da grande batalha celeste que antecederá o fim dos tempos e a nova vinda do fundador da comunidade essênia, o "Mestre da Justiça", como Messias escatológico.
    Neste contexto, e numa descrição profundamente ambivalente, em 4Q529 e 6Q23 o triunfo definitivo da paz não lhe é atribuído, conforme alguns depreendem de Judas 1:9, acima transcrito, onde Miguel recusa a função de juiz escatológico, mas apenas é o seu arqui-estratega. Miguel recusa inclusive o título de "Senhor" e de "Salvador", ao mesmo tempo que, segundo 4Q246, aguarda que, tal como o seu modelo histórico apresentado neste texto, Antíoco Epifânio, se possa autoproclamar "um deus" e ser adorado como deus, tal como aquele em Daniel 11,36-37.
    Para outros[quem?], segundo a interpretação que fazem de alguns dos manuscritos do Mar Morto, Miguel é mesmo apresentado como o grande usurpador do senhorio de Deus numa opinião que, com alguns matizes, é idêntica à de movimentos para-cristãos nascidos no Século XIX. Segundo aquela referida interpretação, Miguel louvaria o malquisto rei Sedecias, referido em 2 Reis 24:19, prometendo-lhe, inclusive, uma aliança para que este leve a bom termo os seus planos malévolos.
    Em síntese, a angeologia apresentada pela interpretação destes textos não é homogénea, mas aduz um grande leque de orientações desde as menos negativas como as que consideram Miguel como Melquisedeque exaltado, mas com desejos de ser adorado, até às profundamente negativas, as que o concebem como próximo do malévolo rei Sedecias. Nos primeiros séculos da nossa era, esta literatura teve muita influência em círculos gnósticos vindos do helenismo platonizado na medida em que a sua falta de clareza e a ambiguidade esotérica, quase a roçar o paganismo (de facto, tais perspectivas jamais poderiam ser tidas como inspiradas, quer pelo judaísmo, quer pelo cristianismo), serviu plenamente os seus intuitos de estabelecerem pontes de contacto com o crescente influxo cultural do cristianismo e, assim, não perderem a sua importância religiosa.

    [editar]Perspectivas mitológicas

    Arcanjo Miguel, por Simon Ushakov.
    De acordo com alguma angeologia inter-testamentária heterodoxa ("Revelação de Satanás" e"Ascensão de Melquisedec"), retomada posteriormente por cristão gnósticos - que não admitiam que Deus pudesse na verdade ter tocado, andado e vivido num mundo que consideravam perverso e diabólico - e cultos pagãos mistéricos da bacia do Mediterrâneo Oriental - que se serviram desta figura que tão poucas vezes aparece nomeada na Bíblia para estabelecerem pontes com cristãos menos formados -, o Anjo Miguel - "malach Micha'el" - ou o Justo Miguel - "sedek Micha'el" -; não era senão Melquisedeque "Mal'ch sedek" exaltado, glorificado, não sendo, pois, identificável como uma criatura primogénita.
    Para estes movimentos que orbitavam o cristianismo primitivo, profundamente influenciados pela corrente filosófica do platonismo - que concebia a sua cosmologia como uma contínua estratificação de seres intermédios entre um demiurgo impotente e indiferente para com a humanidade e a sua criação - "sedek Micha'el" seria a figura do justo por excelência, aquele que, segundo Platão, morreria crucificado.
    Misturando esta convicção filosófica com correntes cristãs heterodoxas, os passaram a acreditar que, quem morrera na cruz, sob Pôncio Pilatos, afinal não fora senão Melquisedeque sob a aparência de Jesus de Nazaré que, na verdade, segundo estes, jamais existira. Para estes "sedek Micha'el", enquanto andou sobre a Terra debaixo da aparência de Jesus de Nazaré, jamais fora verdadeiramente homem, rejeitando terminantemente que ele tivesse tido a necessidade de comer, beber, dormir, expressar emoções ou realizar necessidades fisiológias pois, se assim não fosse, não teria podido ser um anjo, isto é, um ser puramente espiritual.

    [editar]Imagens


    Referências

    1. ↑ a b c Passow, Franz. Handwörterbuch der Sprache Griechischen. Edição de 1831.
    2.  Liddell, Henry George & Scott, Robert. Grerek-English Lexicon. Claredon Press - Oxford.
    3.  (em espanhol)Vine Diccionario Expositivo de Palabras del Antiguo y del Nuevo Testamento Exhaustivo, Editorial Caribe 1999, sección del Nuevo Testamento pág. 82.
    4. ↑ a b (em inglês)A Greek-English lexicon (LSJ) From the Oxford University Press Escrito por Henry George Liddell,Robert Scott,Franz Passow
    5.  Moulton, Harold K. Léxico Grego Analítico. Editora: Luz e Vida.
    6. ↑ a b Schneider, Johann Gottlob. Kritisches Griechisch-Deutsches Handwörterbuch
    7.  Dicionário grego-português Escrito por Rudolf Bölting,Instituto Nacional do Livro
    8.  (em inglês)The new and complete dictionary of the English language: To which Volumen 1 Escrito por John Ash
    9.  (em inglês)A Greek and English dictionary: comprising all the words in the writings of ... Escrito por John Groves
    10.  (em inglês)A new Greek and English lexicon to the New Testament: on the plan of Dawson Escrito por Henry Laing
    11.  (em espanhol)Diccionario manual griego-latino-español editado por Escuelas Pías (Madrid)
    12.  Diccionario Exegético del Nuevo Testamento de Balz-Schneider, editorial Sígueme, tomo 1 pág. 46)
    13.  Interlinear Hebrew Bible
    14.  Traslation Interlinear Hebrew Bible
    15. ↑ a b (em inglês)The Oxford guide to people & places of the Bible By Bruce M. Metzger,Michael D. Coogan
    16.  (em inglês)The International Standard Bible Encyclopedia Escrito por Geoffrey W. Bromiley
    17.  (em inglês)All the People in the Bible Escrito por Richard R. Losch
    18.  (em inglês)A dictionary of the Bible Escrito por Samuel Rolles Driver
    19.  (em inglês)The Revelation of St John: expounded for those who search the Scriptures‎ de Ernst Wilhelm Hengstenberg
    20.  (em inglêsArtigo sobre o Arcanjo Miguel na The Catholic Encyclopedia
    21.  (em inglês)A Hebrew and English lexicon of the Old Testament Escrito por Wilhelm Gesenius,Edward Robinson
    22.  (em inglês)A comprehensive dictionary of the English language Escrito por Joseph Emerson Worcester
    23.  (em inglês)A pronouncing, explanatory, and synonymous dictionary of English Escrito por Joseph Emerson Worcester
    24.  (em inglês)Prophets and Apostles Escrito por Joseph Ponessa,Laurie Watson Manhardt
    25.  (em inglês)Connections: a guide to types and symbols in the Bible Escrito por Glen Carpenter
    26.  (em inglês)Super Giant Print Dictionary and Concordance Escrito por David K. Stabnow
    27.  Verbete Miguel na obra Estudo Perspicaz das Escrituras, Volume 2, página 828
    28.  (em inglês)Who's who in the Jewish Bible Escrito por David Mandel
    29.  (em inglês)History of Christian names, Volumen 1 Escrito por Charlotte Mary Yonge
    30.  Timm, Alberto R. Revista Sinais dos Tempos, agosto de 1998, p. 29.
    31.  http://www.ccel.org/ccel/calvin/calcom25.vii.i.html
    32.  "Adão", Guia para Estudo das Escrituas, p. 10
    33.  Gordon Kaufman - "Systematic Theology: A Historicist Perspective", p. 94
    34.  Codex Sinaiticus- Manuscritos originais
    35.  Codice Sinaiticus - Manuscritos originales
    36.  Interlinear Bible - 1 Tessalonicenses cap. 4
    37.  Codice Sinaiticus - Manuscritos originales - Tessalonicenses 4
    38.  Esta obra está citada e comentada, com a apresentação das contra-argumentações, em H. G. Optiz – "Athanasius Werke, III, 1: Urkunden zur Geschichte der arianischen Streits"Berlim.
    39.  Obra citada e comentada com as contra-argumentações dos teólogos de então em F. Paschke - "Überlieferungsgeschichtliche Untersuchungen", Berlim.

    [editar]Ver também

    [editar]Ligações externas



Loading...